Obra

O que é Original? Marcelo Conrado

artistas: Marcelo Conrado
curador: Maria José Justino
local: Sala 2

MON realiza exposição inédita do artista Marcelo Conrado


“O que é original?” é o nome da exposição do artista Marcelo Conrado, uma realização do Museu Oscar Niemeyer (MON), que será inaugurada na quinta-feira, 11 de abril. Mais do que isso, a mostra também é uma indagação que o artista faz ao seu público, instigando uma discussão sobre o conceito de autoria na arte contemporânea.

“Conrado vem construindo sua carreira quase como quem faz uma escrita e vai relatando a memória”, diz o secretário de Estado da Comunicação Social e da Cultura, Hudson José. 

“Marcelo Conrado instiga a reflexão sobre o uso e o direito da imagem e esse é o papel do museu”, afirma a diretora-presidente do MON, Juliana Vosnika.

Artista formado no Centro Juvenil de Artes Plásticas de Prudentópolis, foi depurando seu estilo e tem duas fases distintas: a fase inicial cromática, com intensidade de cores, e a fase em preto e branco, onde ele consegue impor um novo percurso. “É um artista já reconhecido, mas que precisa ter suas obras revisitadas constantemente”, afirma o secretário.

Com propriedade, o artista questiona, através de sua obra, a autoria na arte. Doutor em Direito pela UFPR e professor da mesma universidade, Conrado explica que a exposição reúne reflexões próprias de suas duas vertentes profissionais: arte e Direito.

“Temos aqui uma discussão sobre os conceitos de autoria, anonimato, apropriação e originalidade na arte”, explica o artista. Para isso, ele utiliza 20 fotografias licenciadas de bancos de imagens, sobrepostas a frases anônimas, retiradas de pichações, redes sociais ou conversas casuais. “É um diálogo entre a apropriação de textos e imagens. Do duplo anonimato, das fotografias de banco de imagens e de frases, reivindico a autoria das obras”, informa.

Em outro espaço da exposição, Conrado apresenta ao público 13 pinturas em grandes formatos. Estas, por sua vez, ao serem produzidas, receberam influência de outros artistas, o que mantém vivo o questionamento central da mostra. No espaço dedicado às pinturas, a autoria se faz presente por meio da mão do artista. Aqui não é possível delegar, diferente da sala dedicada às fotografias, onde a autoria é evidenciada pela via da apropriação. 

“Conrado se equilibra em duas vertentes. Na pintura, exercita sua expressão, emoção e subjetividade”, explica a curadora Maria José Justino. “A inclinação de Conrado pela fotografia e pela citação busca explorar outras possibilidades que os novos meios emprestam à arte.” 

Ao se apropriar de ideias e citações, o artista alarga a fotografia e possibilita outro universo simbólico, novos sentidos a serem habitados, segundo informa a curadora.

A mostra conta ainda com um painel de LED com frases em movimento, que remete a locais públicos de grande circulação que utilizam tal ferramenta de comunicação. Ao final, uma obra interativa convidará o público a deixar contribuições para possíveis futuros trabalhos do artista.

Sobre o MON
O Museu Oscar Niemeyer (MON) pertence ao Estado do Paraná. A instituição abriga referenciais importantes da produção artística nacional e internacional nas áreas de artes visuais, arquitetura e design, além da mais significativa coleção de arte asiática da América Latina. No total, o acervo conta com aproximadamente 7 mil peças, mantidas num espaço superior a 35 mil metros quadrados de área construída, sendo 17 mil metros quadrados de área para exposições, o que torna o MON o maior museu de arte da América Latina.


Serviço
“O que é original?” – Marcelo Conrado
Abertura: dia 11 de abril, às 19h, com entrada gratuita
Período expositivo: até 18 de agosto
De terça-feira a domingo, das 10h às 18h
Quarta-feira, entrada gratuita

Museu Oscar Niemeyer
Rua Marechal Hermes, 999
www.museuoscarniemeyer.com.br

<div data-configid="7920748/69014591" style="width:650px; height:390px;" class="issuuembed"></div>
<script type="text/javascript" src="//e.issuu.com/embed.js" async="true"></script>

Marcelo Conrado - Sem título Untitled, 2018/2019 | Acrílica e nanquim sobre tela Acrylic and India ink on canvas
Marcelo Conrado - Sem título Untitled, 2018/2019 | Acrílica e nanquim sobre tela Acrylic and India ink on canvas
Marcelo Conrado - La vida se gasta The life is spent, 2017/2019 | Fotografias Apropriação de fotografia de banco de imagens e frase anônima. Impressão fine art com pigmento mineral sobre papel Rag Photographique 100% algodão 310g. Photography Appropriation of photography from an image bank and anonymous sentence. Fine art printing with mineral pigment on Rag Photographique paper 100% cotton 310g.
Marcelo Conrado - La vida se gasta The life is spent, 2017/2019 | Fotografias Apropriação de fotografia de banco de imagens e frase anônima. Impressão fine art com pigmento mineral sobre papel Rag Photographique 100% algodão 310g. Photography Appropriation of photography from an image bank and anonymous sentence. Fine art printing with mineral pigment on Rag Photographique paper 100% cotton 310g.
Marcelo Conrado - Prefiro a decadência à modernidade I ratter decadence to modernity, 2017/2019 | Acervo MAC MAC Collection| Fotografias Apropriação de fotografia de banco de imagens e frase anônima. Impressão fine art com pigmento mineral sobre papel Rag Photographique 100% algodão 310g. Photography Appropriation of photography from an image bank and anonymous sentence. Fine art printing with mineral pigment on Rag Photographique paper 100% cotton 310g.
Marcelo Conrado - Prefiro a decadência à modernidade I ratter decadence to modernity, 2017/2019 | Acervo MAC MAC Collection| Fotografias Apropriação de fotografia de banco de imagens e frase anônima. Impressão fine art com pigmento mineral sobre papel Rag Photographique 100% algodão 310g. Photography Appropriation of photography from an image bank and anonymous sentence. Fine art printing with mineral pigment on Rag Photographique paper 100% cotton 310g.