Obra

1911-2011 Arte brasileira e depois, na Coleção Itaú

artistas: -
acervo:-
curador: Teixeira Coelho
nº de obras: 177
local: Salas 1, 2 e 3

Um olhar sobre 100 anos de arte. É essa a proposta de "1911-2011 Arte brasileira e depois, na Coleção Itaú", que ocupa três salas expositivas do Museu Oscar Niemeyer. A mostra, que segue até 19 de agosto, reúne 177 obras, do quadro "A Pequena Aldeã", de Lasar Segall, da primeira década do século 20, à instalação interativa "[Op_Era] Haptic Interface", realizada por Rejane Cantoni e Daniela Kutschat no começo do século 21.

Teixeira Coelho, responsável pela curadoria, afirma que a mostra se faz por meio de seis módulos que, juntos, contemplam os instantes fundacionais e de afirmação da arte brasileira. “Fundacional porque no início desse período começa a surgir uma arte propriamente brasileira. E da afirmação porque é também nesse arco de tempo que a arte feita aqui se torna um ator mundial que conversa em igualdade de condições com outras artes nacionais”, diz Coelho.

Em "1911-2011 Arte brasileira e depois, na Coleção Itaú", há desde obras bidimensionais, tridimensionais, vídeos, holografia, videoinstalação e instalação digital. A diretora do MON, Estela Sandrini, observa que os caminhos da arte contemporânea serão percebidos nesta mostra. “Por exemplo, o abandono da figuração rumo à abstração é um impasse que esta exposição evidencia”, diz Estela.


Albano Afonso Série Paraiso.(Reprodução)
Albano Afonso Série Paraiso.(Reprodução)
Antonio dias - Campo de energia
Antonio dias - Campo de energia
Lasar Segal - A pequena aldeã
Lasar Segal - A pequena aldeã