Obra

Beatriz Milhazes - Meu Bem

artistas: Beatriz Milhazes
curador: Frédéric Paul
nº de obras: 52
local: Salas 1 e 2

Com curadoria do crítico francês Frédéric Paul, a mostra apresentará alguns dos trabalhos mais marcantes da artista desde o final dos anos 1980, provenientes de diversas coleções públicas e particulares, do Brasil e do exterior. A exposição fica no MON até dia 23 de fevereiro de 2014.  As últimas grandes exposições institucionais de Beatriz Milhazes no Brasil aconteceram em 2002 (CCBB-RJ) e 2008 (Pinacoteca do Estado – SP).
 
“Meu Bem” é considerada a mais abrangente mostra panorâmica de Beatriz. É uma oportunidade única de rever obras históricas, conhecer os últimos desdobramentos de sua produção e identificar neste vasto conjunto alguns dos fios condutores, procedimentos e estratégias compositivas que a tornaram um dos grandes destaques da arte contemporânea no mundo neste início do século XXI.
 
Beatriz Milhazes
 
Beatriz Milhazes participou, ao longo dos últimos anos, de diversas bienais, como as de Veneza e de São Paulo, e realizou 30 individuais em 11 países, com destaque para as da Fundação Calouste Gulbenkian (Lisboa) e da Fondation Cartier (Paris), além de dezenas de coletivas, entre elas a mostra The Encounters in the 21st Century: Polyphony - Emerging Resonances, no 21st Century Museum of Contemporary Art (Kanazawa, Japão).
 
É possível apontar como aspectos mais evidentes de sua obra a intensa relação com a arte popular brasileira, o diálogo com segmentos de arte aplicada, entre eles o artesanato e o bordado, bem como uma proximidade fértil com três momentos importantes da história da arte brasileira: o barroco, a antropofagia e o tropicalismo.
 
São também aspectos centrais da obra de Beatriz Milhazes a organicidade das formas e o intenso jogo cromático, que estabelecem uma relação de complementaridade e contraste com uma estrutura compositiva cada vez mais rigorosa. “Ela reivindica laços fortes com a modernidade europeia e está em pé de igualdade na cena contemporânea, na qual abala os códigos muitas vezes pouco sábios da abstração”, sintetiza o curador Frédéric Paul.