Obra

Heist Films - Gustavo Von Ha

artistas: Gustavo Von Ha
curador: Tomás Toledo
nº de obras: 68
local: Torre

Apresentando o universo criativo de uma produtora de cinema fictícia que se propõe criar e distribuir viralmente trailers e cartazes de filmes que nunca vão existir, a mostra propõe ao público reflexão sobre os limites entre realidade e ficção. Os trailers se apropriam dos clichês das produções de Hollywood - desde a temática, fotografia e cenário até estrelas como Alessandra Negrini - para forjar seu aspecto real e induzir o espectador a completar a trama dos filmes, que é apenas insinuada, utilizando suas próprias referências do mundo cinematográfico e da cultura de massas. 

Para a exposição, os trailers de quatro filmes serão projetados em uma sala, junto com objetos de cena – expostos dentro de vitrines –, stills dos filmes e documentos decorrentes do processo de produção. A proposta de apresentação de objetos e imagens junto com os vídeos problematiza a questão do fetiche e atrizes, difundidos pelo cinema.

Heist Films Entertainment

 

O cinema não apresenta apenas imagens, ele as cerca com um mundo - Gilles Deleuze, A imagem-tempo.

 

Heist Films Entertainment, além de ser o título desta exposição, é o nome de uma produtora cinematográfica criada por Gustavo von Ha para desenvolver e distribuir trailers de filmes que nunca serão realizados. TokyoShow [A Busca do Amor], Gasoline 1 [Hollywood em Chamas 1], Gasoline 2 – Back to the fire [Hollywood em Chamas 2] e Paranormal [Garota Diabólica] possuem peças publicitárias, atores e atrizes profissionais, páginas na Internet e nas redes sociais, DVD’s distribuídos em bancas de filmes piratas e cartazes, em suma, tudo o que um filme real deve ter por convenção. Porém, eles apenas emulam uma realidade que nunca se concretiza em sua totalidade.

 

Se por um lado a produtora não fornece ao público todas as imagens que poderiam compor um longa metragem, abre as portas para o mundo que cada um destes trailers sugere. O espectador é confrontado com uma série de imagens, fragmentos narrativos, tonalidades de fotografia, cenários e personagens que tecem a estrutura de um universo particular para cada filme.

 

Estes universos possuem regras próprias e instauram temporalidades independentes, que se desenvolvem além das imagens em movimento apresentadas nos trailers. Nesta operação, a superfície imagética não é opaca, mas sim translúcida, o que proporciona um canal de comunicação entre o que visível e o que é imaginável. É neste campo do possível, do porvir, que se desenvolvem os mundos virtuais de cada filme. A partir deste atravessamento da imagem, que cria temporalidades, o real e o objetivo perdem espaço para o virtual e o subjetivo.

 

Porém, nesta exposição este canal de comunicação é ativado em seus dois sentidos: o real alimenta o virtual e vice e versa. Os trailers são acompanhados por objetos de cena – utilizados de fato nas filmagens ou criados posteriormente -, stills e documentos do processo de produção. São objetos e imagens que ganham corporeidade a partir de mundos virtuais instaurados pelos filmes.

 

Esta via de mão dupla proporciona ao público a possiblidade de, constantemente, reelaborar as narrativas e as virtualidades do universo da Heist Films Entertainment, colocando em perspectiva a contínua possibilidade que o cinema proporciona: criar mundos.



Gustavo von Ha
Artista visual, nasceu em 1977 em Presidente Prudente. Vive e trabalha em São Paulo. De suas exposições individuais destacam-se “A Window in Berlin – Changing Project, Berlim (2013)”, “T.L., Galeria Leme, São Paulo (2012)”, “Double Crossing, Latin American Art Gallery, Tóquio (2011)”, “Images Réfléchies, Sycomore Art Galerie, Paris (2008)”. Das exposições coletivas: “Suspicious Minds, Galeria Vermelho, São Paulo (2013)”, “Folhas de Viagem, MAC USP, São Paulo (2012)”, “10th Latin American Contemporary Art “Today””, “Promo-Arte Gallery Tokyo, Tóquio (2010-09)”.

Tomás Toledo
Curador independente e pesquisador de arte, nasceu em São Paulo, em 1986, onde vive até hoje. Formado em Filosofia pela PUC-SP, de 2009 a 2013 atuou na coordenação da programação de cursos e atividades culturais da Escola São Paulo, onde realizou, em 2009, a curadoria da exposição “Espaço Urbano”. Em 2010, organizou e produziu exposições na Escola São Paulo de artistas como Thomas Hirschhorn, Janine Antoni e Paul Ramirez Jonas. Participou do Laboratório Curatorial da SP Arte 2013, programa de formação de curadores dirigido por Adriano Pedrosa, onde realizou a curadoria da exposição “O Enunciado em Questão”.