Obra

Ásia: a Terra, os Homens, os Deuses

curador: Fausto Godoy e Teixeira Coelho
local: Sala 5

alt_text


MON inaugura segunda edição da exposição asiática

A partir desta quinta-feira, dia 20/2, os visitantes do Museu Oscar Niemeyer (MON) poderão conferir a segunda edição da exposição “Ásia: a terra, os homens, os deuses”. Inaugurada em março de 2018, teve uma renovação de cerca de 50% das obras expostas. Dividida agora por núcleos de regiões e civilizações, a mostra tornou-se mais didática.

“A chegada da coleção asiática ao acervo do MON elevou-o ao patamar dos grandes museus internacionais e sua atual renovação demonstra o interesse constante do Museu em permitir amplo acesso do público ao seu acervo”, afirma a diretora-presidente da instituição, Juliana Vosnika.
“O público conseguirá visualizar melhor como era uma pequena casa no Japão ou o gabinete de um mandarim literato na China do século 17, por exemplo”, afirma o embaixador Fausto Godoy, que há dois anos doou ao MON uma coleção de quase 3 mil peças de arte asiáticas reunidas por ele ao longo de sua carreira diplomática, oriundas de países como China, Japão, Índia, Paquistão, Butão, Irã, Afeganistão e Myanmar. 

Ele explica que a principal diferença entre as duas montagens da exposição é que essa segunda edição apresenta uma seleção regional e temática. “Com essa releitura, mostramos a grande variedade da coleção”, comenta. Godoy afirma ainda que o conceito utilizado para o atual recorte transforma a segunda edição numa nova exposição.

Segundo o embaixador, a temática da primeira montagem da exposição era mais diversificada. A opção agora foi dividir em núcleos, o que permite focar em determinadas áreas geográficas ou civilizações e ter uma leitura mais harmônica. O núcleo islâmico, que compreende peças da Índia, Paquistão e Afeganistão, está concentrado numa única vitrine. Outros núcleos apresentados separadamente são o chinês, o japonês e o indiano, além de uma vitrine dedicada à Ásia Central e ao planalto tibetano.

Godoy explica que, após a renovação, a exposição apresenta vários novos destaques. Um deles é o recipiente para pincéis (Bitong) da Dinastia Ming (1368-1644). Outro ponto alto da nova edição da exposição é a cama com dossel feita com madeira jacarandá, do século 18, da região de Hyderabad, na Índia. “Na cabeceira da cama tem a representação da árvore da vida, que é um símbolo muçulmano muito forte, e o lado oposto é inspirado nos bilros portugueses”, comenta.

Na primeira sala, o público poderá também ver de perto pequenos unguentários de vidro do século 1 a.C. “São peças raras, com pouquíssimos exemplares em exibição no mundo e que mostram a influência grega e romana naquela região, naquele período da história da humanidade”, informa o embaixador. 

Ele também destaca nessa segunda edição gravuras, papéis e tapetes criados em diferentes tempos de guerras da humanidade, dispostos numa sala específica da mostra, chamada por Godoy de “Arte e Ideologia”. São obras como xilogravuras da Revolução Cultural da China, desenhos e pôsteres da Guerra do Vietnã e tapetes da Guerra do Afeganistão feitos por crianças. “Ao contrário de serem uma elegia à guerra, essas obras nos mostram uma visão profunda da humanidade”, explica. 

Sobre o MON

O Museu Oscar Niemeyer (MON) pertence ao Estado do Paraná. A instituição abriga referenciais importantes da produção artística nacional e internacional nas áreas de artes visuais, arquitetura e design, além da mais significativa coleção asiática da América Latina. No total, o acervo conta com aproximadamente 7 mil peças, abrigadas num espaço superior a 35 mil metros quadrados de área construída, sendo 17 mil metros quadrados de área para exposições, o que torna o MON o maior museu de arte da América Latina.


Serviço:

“Ásia: a terra, os homens, os deuses”
Aberta ao público a partir de 20 de fevereiro

Museu Oscar Niemeyer
Rua Marechal Hermes, 999
Curitiba/Paraná
museuoscarniemeyer.org.br
Visitação: terça a domingo, das 10h às 18h
R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada)
Quartas gratuitas (oferecimento do Governo do Estado do Paraná)

Nat (guardião) | Myanmar, século XX | Madeira e laca com policromia, douramento e incrustações de vidro | Foto: Sérgio Guerini
Nat (guardião) | Myanmar, século XX | Madeira e laca com policromia, douramento e incrustações de vidro | Foto: Sérgio Guerini
Cavalo de ritual tumular | China, dinastia Han, século. II a.C  - II d.C. | Cerâmica com policromia | Foto: Sérgio Guerini
Cavalo de ritual tumular | China, dinastia Han, século. II a.C - II d.C. | Cerâmica com policromia | Foto: Sérgio Guerini
Cadeira de espaldar curvo |  China, dinastia Ming (1368-1644) | 
Madeira (jichimu, ormosia heisei) | Foto: Sérgio Guerini
Cadeira de espaldar curvo | China, dinastia Ming (1368-1644) | 
Madeira (jichimu, ormosia heisei) | Foto: Sérgio Guerini