24.11.2021

Descentralização das obras do MON começa pelo Teatro Municipal de Cascavel, no Oeste

Para incentivar o intercâmbio educativo e cultural entre Estado e municípios da região Oeste, o governador Carlos Massa Ratinho Junior autorizou nesta terça-feira (23), em reunião no Palácio Iguaçu, uma exposição com obras itinerantes do Acervo do Museu Oscar Niemeyer (MON), sediado em Curitiba, no Teatro Municipal de Cascavel. A iniciativa atende solicitação da Associação dos Municípios do Oeste do Paraná (AMOP) e deverá ser replicada em outras regiões do Estado.

Além do governador Ratinho Junior, assinaram o protocolo de intenções para a concretização da exposição, a partir de fevereiro de 2022, o prefeito de Cascavel, Leonaldo Paranhos; a diretora-presidente do MON, Juliana Vosnika; o secretário de Estado da Comunicação Social e da Cultura, João Evaristo Debiasi; a superintendente da Cultura, Luciana Casagrande Pereira; e, como testemunha, o deputado estadual Gugu Bueno.

“O Museu Oscar Niemeyer, popularmente chamado de Museu do Olho, é conhecido no mundo inteiro pela sua importância, estética e qualidade do acervo”, disse o governador. “Esse projeto de descentralizar as obras do MON é inédito. O objetivo é fazer com que elas possam rodar o Paraná, chegando a toda população, que talvez não tenha oportunidade de vir até a capital para conhecer o nosso Museu”.

De acordo com o governador, o acervo do MON itinerante contará a história do Paraná e de outras regiões do mundo, por meio das obras de artistas renomados nacionais e internacionais. “É mais uma medida para descentralizar a cultura e torná-la acessível para a população do Paraná”, destacou Ratinho Junior.

As obras serão expostas em uma sala do terceiro piso do Teatro Municipal de Cascavel, que comporta até 300 pessoas e está localizado no Centro da cidade. A expectativa de inauguração da exibição é para a semana entre 07 e 12 de fevereiro do ano que vem, data em que também está agendada para acontecer o Show Rural Coopavel, em Cascavel – uma das maiores feiras de agronegócio no Brasil.

“Essa não é uma ação exclusiva da cidade, mas sim dos 54 municípios da região Oeste do Paraná, que serão beneficiados com o acesso à cultura de qualidade”, destacou o prefeito de Cascavel, Leonaldo Paranhos. “Com muita responsabilidade e zelo, o Governo do Estado viabiliza que essa marca extraordinária do MON chegue perto de mais paranaenses”.

Será montada uma exposição com curadoria específica para o espaço de Cascavel, com parte do acervo do MON. “Faremos uma primeira exposição e ela poderá ser alterada com outros recortes do acervo do Museu com o passar do tempo”, informou Juliana Vosnika, diretora-presidente do Museu.

O secretário João Evaristo Debiasi disse que o MON é o maior museu da América Latina em área construída, com 35 mil metros quadrados. De acordo com Debiasi, o espaço atende a diretriz do governador Ratinho Junior de levar arte e cultura para as ruas.

“É uma iniciativa que está se tornando uma constante no Governo, com a Orquestra Sinfônica do Paraná e o Balé Teatro Guaíra, por exemplo. Estão todos cada vez mais se apresentando nas praças e lugares com passagem do público”, informou.

“Os equipamentos de cultura, que também prestam serviço para a área de turismo, estão reabrindo com toda prudência necessária e com critérios de segurança estabelecidos, para que a população possa, portanto, desfrutar dessa prestação de serviço e de entretenimento”, reforçou Debiasi.

“O MON completou 19 anos nesta segunda-feira (22), e já está apto para ‘sair de casa’. O Teatro Municipal de Cascavel, que já existe há 25 anos, tem uma grande estrutura e condições adequadas para receber e cuidar dessas obras”, ressaltou Luciana Casagrande Pereira.

EXPOSIÇÃO
A exibição em Cascavel será com obras do acervo de arte africana, doado no início do ano ao MON, pela Coleção Ivani e Jorge Yunes (CIJY). Uma parte dessa coleção, que não está exposta no Museu, será exibida em Cascavel de forma inédita.

Aproximadamente 1.700 obras de uma das mais importantes e significativas coleções de objetos de arte africana do século 20 passaram a pertencer ao acervo do Museu Oscar Niemeyer e, consequentemente, ao Estado do Paraná. Elas foram adquiridas ao longo de mais de 50 anos pelo casal Ivani e Jorge Yunes, detentores de uma das maiores coleções de arte do Brasil. As obras têm origem em países como Costa do Marfim, Mali, Nigéria, Camarões, Gabão, Angola, República Democrática do Congo e Moçambique, entre outros.

Parte desta coleção está exposta no MON em Curitiba, e a outra parte será direcionada para o Teatro Municipal de Cascavel. "A região Oeste é muito forte e tem tradição em artes. É importante para nós estarmos lá e fazermos uma exposição que vai ser, com certeza, uma das principais já realizadas no local”, garantiu Juliana Vosnika.

Segundo a diretora-presidente do MON, o Museu está em negociação para próximas doações. “O Museu triplicou o acervo nos últimos anos e registra sucessivos recordes de público”, apontou.

Desde que foi inaugurado, em 2002, e até 2015, o MON contava com cerca de 3 mil obras. Atualmente, possui mais de 9.300 obras em seu acervo.